Quando um filho fica doente...

Oiii galera!
Sei que os últimos posts tem como foco a maternidade, e prometo que logo haverão mais temas, como eu já fiz antes, mas ultimamente ando meio inspirada pra falar sobre esse assunto. Espero que gostem do post de hoje...
O Enzo ficou doente. E daí?
E daí que o que eu tenho pra falar agora, é do que sente uma mãe ao ver seu filho doente. Acredite em mim, DÓI. Dói na alma, principalmente quando você já está fazendo o que pode. Fica sempre aquela sensação de incapacidade. É mais ou menos assim que funciona: um belo dia, a criança acorda mais chorosa, com a temperatura um pouco alta, com menos apetite. Você já fica meio tensa, e vai observando se algum outro sintoma aparece. Quando é o caso, leva ao médico. Ele avalia, receita o remédio e a dosagem, e você administra. Parece fácil, né? Só que não. Só que não MESMO. Vou contar o que aconteceu por aqui... o Enzo acordou assim como descrevi. Temperatura um pouco mais alta, falta de apetite, chorando um pouco, manhoso. Olhei na boca, tinham 2 dentes mais ao fundo nascendo, então pensei apenas que fosse isso. Nessa fase é normal a criança sofrer um pouco com o nascimento dos dentinhos. Porém, os dias foram passando e eu não via nada que pudesse me dizer que ele estava ficando mais aliviado, pelo contrário, a temperatura começou a subir mais - bora pro médico. Expliquei tudo, expliquei que vi os dentinhos mas que já desconfiava que não fosse apenas isso. Avalia daqui, avalia dali. Diagnóstico - inflamação no ouvido. A mãe pensa: como não percebi isso antes? Como posso ser tão negligente? Como sou tão descuidada? Como ele foi pegar isso? Que diabos de mãe eu sou? - sim, isso acontece mais do que você pensa. A culpa é um fardo tão pesado que esmaga o coração de uma mãe. Não importa o que aconteça, ela vai sempre se sentir culpada. Deixando a culpa de lado, hora de administrar o medicamento. Tomou um dia, dois dias, três dias e nada dele melhorar, na verdade, começou a comer cada vez menos e o desespero começa a tomar conta. Uma mãe de primeira viagem sofre um pouco mais do que as mais experientes, justamente porque não imagina que o remédio não faz efeito da noite pro dia, que pode levar um tempo pra finalmente ser visível que o corpo conseguiu combater a infecção/bactéria/vírus, seja lá o que for. Bom, passaram os três primeiros dias e ele estava bem mais fraco, não queria mais comer nem as coisas que ele mais gosta. Fui dar banho e ele mal ficava em pé, aquilo me abateu profundamente, eu já comecei a pensar no pior, chorava mais que ele. Vou levar pro hospital! Enquanto arrumava tudo, uma tia que percebeu pelos meus posts do facebook (sim, sou o tipo de pessoa que quando está aflita coloca no status da rede social "se sentindo aflita" - e isso é tema pra outro post), me chamou pra conversar. Expliquei toda a situação, e ela com a maior calma do mundo, me explicou que o melhor a fazer era aguardar mais um pouco, reforçar a alimentação dele, e só ir para o hospital se, por exemplo, a febre subisse muito (não estava subindo tanto e nem toda hora, apenas em um momento ou outro, e em torno de 38°), e que ele estava desse jeito justamente porque o corpo estava trabalhando pra vencer essa guerra - levar ele pro hospital significaria apenas soro na veia, agulhada daqui, agulhada dali. Não vou mentir, na hora ainda pensei "meu Deus, mas e se não for só isso e ele estiver com alguma coisa a mais, e se ele precisa de outro tipo de medicamento, e se esse não está fazendo efeito?"... Acontece que nesses momentos, a gente pensa tudo mesmo, é enlouquecedor! Mas eu precisei me acalmar e pensar com a cabeça, não mais com a emoção. Nesse dia, ele dormiu MUITO. Dormiu praticamente o dia todo, e ela me disse que isso era mais um sinal de que o corpo estava lutando, e precisava descansar. Assim que ele acordou, ofereci várias coisas que ele gosta de comer, e do jeito que ele mais gosta: sozinho. Dei tudo na mão dele, e foi funcionando aos poucos! Comeu um pouco aqui, um pouco ali... e como num milagre, ele começou a responder à tudo isso. Ele só estava fraco, muito remédio, pouca alimentação... até um adulto sofre, como um bebê não sofreria? Enfim, finalmente ele foi se recuperando e como sinal disso, já aprontou de cara: virou o remédio na minha cama - e era líquido. Na hora, não consegui nem ficar brava! Isso era um sinal tão bom, que eu abracei ele e chorei. Meu filho deve achar que eu sou louca... mas mesmo assim, me abraçou de volta. Senti como se ele estivesse dizendo: tô de volta, e voltei com tudo!
Ah, filho. Mas eu prefiro meeesmo você aprontando todas, me deixando maluca, do que te ver daquele jeito, sem vontade de levantar da cama. Coração de mãe é como uma bomba, sempre prestes à explodir - e quando explode, escorre pelos olhos. Vai ver é por isso que choramos tanto. Pensa no tanto de emoções? Adrenalina pura!
E ele já está correndo pelo apartamento como se nada tivesse acontecido. Mas é isso mesmo, pra ele, nada aconteceu. Só meu coração que ficou em frangalhos, mas descobri que ele se regenera junto com a saúde da cria! Hehe <3

Um beijo enorme e até já!

8 comentários:

  1. Não sou mãe, mas quando alguém que amo fica doente, eu fico numa aflição sem fim, imagino você! Que bom que ele já está bem!!!!

    ResponderExcluir
  2. Excelente conteúdo para as mamães de plantão! Parabéns! ❤

    ResponderExcluir
  3. Ôh gente! Pra quem é mamãe vale muito a pena esse post!
    Pense... beijos!

    ResponderExcluir
  4. aaaaaain. A pior coisa é doença né?! pode ser a mais simples que for :(

    www.beijosdavick.com.br

    ResponderExcluir
  5. Nossa não tem sensação pior que ver um filho com dor e não podermos tirar essa dor deles né? sou mãe de um lindo casal e sei o que você sentiu, mas graças á Deus que nossos babys são mais fortes que nós imaginamos,bjs

    ResponderExcluir
  6. eu imagino a aflição que deve ser ver nosso baby doente. Ainda bem que ele esta bom novamente e brincando muuuuito :D

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Nem fala! Eu ainda não sou mãe, mas vejo o desespero das mães que conheço.
    Graças a Deus ele está melhor <3

    ResponderExcluir
  8. Nossa eu imagino o seu desespero, eu ainda não sou mãe mais posso imaginar a angústia

    ResponderExcluir